CHAMAR O FUTURO

A emergência de um futuro totalmente positivo precisa de acontecer transversalmente e em sincronia em em todos os sectores da sociedade. 

O sector social, considerado o mais carente, comporta também intrinsecamente um infinito potencial de intervenção.   

A REBUNDANCE acredita que todos os seres vivos devem poder aceder uma vida com dignidade. Para tal, individualmente, precisamos de agir em harmonia com o nosso propósito e, coletivamente, precisamos de criar interdependências positivas.

Se pretendemos contribuir para a regeneração do planeta e para tornar  comunidades mais resilientes precisamos ainda de renaturar as cidades, convidando a natureza de volta, regenerando os ecossistemas existentes e aprendendo com os sistemas naturais que não geram desperdício.

A CHAMAR O FUTURO CRL (cooperativa, sem fins lucrativos), braço de intervenção social da REBUNDANCE, candidatou-se com sucesso em 2020 a dois fundos na área social. Pretende com estes projetos colaborar com territórios carentes para aumentar a respetiva capacidade de colaboração no contexto da visão seguinte:

Que a abundância se possa manifestar nas cidades através da natureza e da vida, em florestas, jardins e hortas cuidadas que florescem em todas as superfícies disponíveis (terrenos esquecidos, coberturas e fachadas de edifícios), recuperando prevalência na vida dos cidadãos, enquanto limpam o ar e a água, alimentam as pessoas e atenuam os impactes climáticos.  


BIP ZIP

CHAMAR O FUTURO EM CAMPOLIDE
Um projeto BIPZIP2020/CML

Campolide é uma freguesia lisboeta com pensamento aberto e diversas frentes de ação inovadoras focadas em resolver os seus desafios prementes. Trata-se de uma freguesia com polaridades extremas – integra o centro comercial com maior “turnover” em Lisboa enquanto alberga alguns dos mais pobres cidadãos de Lisboa.

Com este projeto, a cooperativa CHAMAR O FUTURO Crl propõe apoiar a mudança de mentalidades necessária para permitir que a resiliência das comunidades em foco se torne emergente, construindo sobre excelentes práticas em curso, como é o caso da agrofloresta de campolide, projeto Bela Flor Respira. As comunidades nas quais este projeto se centra encontram-se entre a floresta de Monsanto e as vias rápidas que as separam da cidade os bairros: Bela Flor, Liberdade e Quinta do Tarujo.

O projeto integra as seguintes atividades:

  1. Com o tema: “como iremos no futuro passar o nosso tempo?” e para contribuir para a resiliência destas comunidades serão facilitados 10 círculos, integrando residentes e pessoas que trabalham em Campolide e atores com influência ou interesse no tema ou na Freguesia.   
  2. Um programa de co-liderança imersivo (6 dias ao longo de 3 meses) para 30 ativistas (locais e stakeholders) que promove a transformação pessoal, colaborativa e ativa o contributo para a regeneração do planeta. 
  3. Dois líderes a selecionar (com conhecimento adequado da língua inglesa) serão convidados a participar na edição de Março 2021 do programa de liderança criativa da REBUNDANCE.  
  4. No âmbito do diagnóstico societal serão recolhidos dados em todas as sessões, com a intenção de acrescentar atualidade e granularidade no conhecimento existente sobre as necessidades e intenções dos participantes. 
  5. No âmbito dos círculos, será consensualmente definido o investimento de uma verba simbólica num projeto coletivo de resposta comunitária.  

Este projeto fará a ponte com outros projetos em curso, com a intenção de criar um espaço fértil para sinergia.

O objetivo do projeto é de tornar a abundância endógena mais tangível e acessível a todos, contribuir para condições de colaboração fluida entre todas as pessoas (locais e visitantes) interessadas em acrescentar valor a estes bairros e iniciar processos de empoderamento local, benéficos e duradouros. 

TRANSPARÊNCIA NO MODELO DE NEGÓCIOS

A cooperativa é uma entidade jurídica sem fins lucrativos e o modelo de negócios associado ao projeto descrito é um apoio local social.

Se desejar juntar-se a este projeto, entre em contato connosco.

REDE DLBC

FUTURO EM MONSANTO
No contexto da atual pandemia (que ataca os pulmões das pessoas) Monsanto, Pulmão de Lisboa, poderá tornar-se símbolo para a resiliência da cidade.

O projeto FUTURO EM MONSANTO visa aumentar a resiliência e o bem-estar das populações que residem na coroa do Monsanto, ao re-estabelecer uma relação interdependente com o ecossistema da floresta. O usufruto dos recursos endógenos e renováveis disponíveis poderá transformar uma mentalidade de escassez numa cultura e economia local de abundância e prosperidade.


Com este projeto, a cooperativa CHAMAR O FUTURO Crl propõe apoiar a mudança de mentalidades necessária para permitir que a resiliência das comunidades em foco se torne emergente, construindo sobre a abundância endógena que esperamos desvendar. As comunidades nas quais este projeto se centra encontram-se próximas da floresta de Monsanto nos bairros: 2 de Maio, Casalinho de Ajuda e Sete Moinhos.

O projeto integra as seguintes atividades que se irão realizar entre o início de 2021 e o fim de 2023:

  • Com os temas: “como iremos no futuro passar o nosso tempo?” e “como iremos alimentar as comunidades” para contribuir para a resiliência urbana, serão facilitados 20 círculos, integrando residentes e pessoas que trabalham em Campolide e atores com influência ou interesse nos temas ou nas Freguesias.   
  • Dois programas de co-liderança imersivos (cada qual com 6 dias ao longo de 3 meses) para 60 ativistas (locais e stakeholders), programas estes que promovem a transformação pessoal, colaborativa e ativa o contributo para a regeneração do planeta. 
  • Dez líderes locais a selecionar (com conhecimento adequado da língua inglesa) serão convidados a participar, dois em cada uma das cinco edições do programa de liderança criativa da REBUNDANCE, entre Setembro de 2021 e Novembro de 2023.
  • Quatro Encontros Reais – estes são encontros facilitados de dia inteiro para 30 pessoas (locais e stakeholders) que permitem a imersão numa realidade concreta para explorar as possibilidades emergentes, tendo lugar entre o verão de 2021 e o verão de 2023.
  • No âmbito do diagnóstico societal serão recolhidos dados em todas as sessões, com a intenção de acrescentar atualidade e granularidade no conhecimento existente sobre as necessidades e intenções dos participantes. 
  • No âmbito dos círculos, será consensualmente definido o investimento de uma verba simbólica em dois projetos coletivos de resposta comunitária.

Este projeto visa a mudança de mentalidades para criar sinergias entre projetos que estão em curso e a promoção de novas atividades que envolvem os talentos existentes nestas comunidades. Visa ainda facultar acesso a recursos existentes e promover o sentido de pertença no relacionamento entre os habitantes e visitantes destes bairros, com recursos renováveis disponíveis, para iniciar processos de empoderamento local, benéficos e duradouros.